quarta-feira, 2 de novembro de 2011

AS ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO. A evolução do pensamento da Ciência da Administração e suas Escolas.

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DOM BOSCO – UNDB

MAURÍCIO MARQUES DE FIGUEIRÊDO

AS ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO. A evolução do pensamento da Ciência da Administração e suas Escolas.


São Luís - MA - 2005

AS ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO. A evolução do pensamento da Ciência da Administração e suas Escolas.

Maurício Marques de Figueirêdo

Sumário: Introdução; 1 – A história da Administração e suas escolas; 2 – A Administração Estratégica; 3 – Um panorama da Gestão Pública até o início do Século XXI; 4 – Empreendedorismo dentro e fora da Gestão Pública; 5 – A Administração Estratégica na Gestão Pública; Conclusão.



RESUMO

Apresenta-se os primórdios da Administração, sua evolução, Escolas e princípios.





ABSTRACT

Presents the administration’s primordium, evolution, Schools and principles of it.



PALAVRAS-CHAVE: História da Administração; Escolas da Administração; Administração Estratégica; Gestão Pública; Empreendedorismo.





“... lançar por terra os trabalhos alheios, sem se recordarem que assim como o elogio nunca deu vida ao que deve morrer, assim também a crítica nunca há de matar o que deve viver, ...”

César Augusto Marques



INTRODUÇÃO

As Organizações, neste início de século XXI, cada vez mais estão se profissionalizando através do conhecimento e de leis, forçadas pela forte concorrência dada pela atual configuração mundial, onde a evolução tecnológica e a globalização são fatores determinantes para manter essas Organizações no mercado.

Resgatar a história da Administração, suas escolas e pensamentos desde os primórdios, torna-se fundamental para que sejam entendidos os caminhos percorridos e as tendências futuras desta Ciência.

No primeiro momento deste trabalho é feita uma breve apresentação da Administração. No segundo momento apresenta-se os primórdios da Administração. No terceiro momento são apresentadas as Escolas da Administração e seus criadores. No quarto momento, apresenta-se as duas primeiras Escolas, a Científica e a Clássica. No quinto momento a Escola das Relações Humanas, no sexto a Burocracia de Max Weber, no sétimo a Teoria Contingêncial ou Behaviorista, no oitavo a Escola Estruturalista, depois a Teoria dos Sistemas, em seguida a Escola do Desenvolvimento Organizacional, a Abordagem Contingêncial, a Teoria Neoclássica e por último a Administração Estratégica.





1 – UMA BREVE APRESENTAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO

A Administração é uma prática antiga e uma ciência relativamente nova. Segundo Chiavenato (2000, p. 18), o conceito de Administração é:



a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso dos recursos organizacionais para alcançar determinados objetivos de maneira eficiente e eficaz.



Portanto, desde que o homem passou a se organizar em sociedade e a realizar transações comerciais via escambo ou já com a utilização da moeda a Administração é utilizada, pois tem seu foco nos recursos de qualquer natureza necessários para gerir qualquer que seja o negócio. Os recursos podem ser financeiros, materiais, tecnológicos e humanos, cada um com suas particularidades e importância formando o todo dentro da Administração.

A Administração é uma Ciência que completou um século de criação oficial, tomando por base a Obra Shop Management de Taylor em 1903, e vive em constante evolução como quase todas as outras Ciências. Alguns estudiosos consideram Arte e não ciência, porém é importante considerar que se trata dos dois, ou seja, uma Ciência-Arte.

Desta forma é interessante citar Carvalho, (1837, p. 2-3), como ele descreve o que é arte e o que é Ciência.



A arte, pois, não sendo outra coisa senão a prática dos princípios da Ciência, têm por fim indicar o como se faz alguma coisa. [ ] A Ciência, porém, ensina o por que se faz essa coisa.



Vale ressaltar, que Arte está relacionada com a estética, e quando a Administração é tratada como Arte, na verdade é a técnica, o modo de fazer, pois a tradução do grego tecné, quer dizer arte.

Ainda sobre os conceitos de Administração, Maximiano (2002, p. 26), define que “Administração significa em primeiro lugar, Ação. [...] ... quatro processos principais interligados: Planejamento, Organização execução e controle.”

Segue o quadro com as descrições dos processos da Administração.

PROCESSO DESCRIÇÃO

Planejamento É o processo de definir objetivos, atividades e recursos.

Organização É o processo de definir o trabalho a ser realizado e as responsabilidades pela realização; é também o processo de distribuir os recursos disponíveis segundo algum critério.

Direção É o processo de realizar atividades e utilizar recursos para atingir os objetivos. O processo de execução envolve outros processos,especialmente o processo de direção, para acionar os recursos que realizam as atividades e os objetivos.

Controle É o processo de assegurar a realização dos objetivos e de identificar a necessidade de modifica-los.

FONTE: Maximiano (2002, p. 27).

A Administração é um ciclo no qual os processos estão sempre em mutação evolutiva. Todos os processos administrativos iniciam-se com o planejamento e terminam com a avaliação. A partir dai são feitas alterações baseadas nas avaliações, quando necessários, para que os objetivos sejam alcançados de maneira eficiente, eficaz e efetivo. E como se trata de um ciclo, inicia-se novamente todo o processo.

As Teorias da Administração são divididas através de Escolas de pensamentos, cada uma com sua ênfase, seu foco e seus pensadores.



Essencialmente, uma teoria é uma representação abstrata do que se percebe como realidade. A teoria é um conjunto de afirmações ou regras feitas para enquadrar alguma parte do mundo real.



Desta forma, Maximiano (2000, p. 30) cita Zimbardo e Ebbesen (1970, p. 64) para definir o que é uma teoria. E assim cada Escola do pensamento da Administração apresenta sua própria teoria para formalizar, criar a representação, do conhecimento obtido através de estudos, pesquisas e observação transformando-os em regras.

O conhecimento das teorias é altamente relevante para quem pretende seguir carreira de administrador ou gestor. Gestor é quem geri uma Organização qualquer sem possuir o título de Administrador, já o administrador é quem o faz sendo formado em Administração. Normalmente essa diferenciação não é feita, daí surge alguma confusão entre gestor e administrador.

Pesquisando sobre os primórdios da Administração através de pensadores e pesquisadores de outras Ciências, já reconhecida como tal, antes da Administração vir a se tornar também uma Ciência, pode-se reafirmar que, a Administração é uma prática muito antiga que só recebe status de Ciência muitos anos depois.





2 – OS PRIMÓRDIOS DA ADMINISTRAÇÃO

A Administração teve em seus primórdios os filósofos, os economistas, a Igreja, os militares, passando pela Revolução Industrial e os pioneiros e empreendedores, segundo Chiavenato (2000, p. 25-38).

A influência dos filósofos é a mais antiga, pois, vem da época de Sócrates (470 a.C. – 399 a.C.), filósofo grego, onde segundo Chiavenato (2000, p. 26) “expõe seu ponto de vista sobre a Administração como uma habilidade pessoal separada do conhecimento técnico e da experiência”, mesmo existindo relatos do próprio Chiavenato (2000, p. 22 – 23) que apontam para os egípcios 4000 a.C. em quadro representativo dos primórdios que será apresentado a seguir.

Essa contribuição dos filósofos segundo Chiavenato (2000, p. 26 – 27), continua passando por Platão (429 a.C. – 347 a.C.), discípulo de Sócrates, por Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.), por Bacon (1561 – 1626), por Descartes (1596 – 165). Cada um desses filósofos deu importante contribuição a Administração.

Na seqüência Chiavenato cita Hobbes (1588 – 1679), que defende o governo absoluto devido a sua visão pessimista da humanidade, em seguida Rousseau (1712 – 1778) e sua teoria do contrato social.

Cita ainda como influência dos economistas, Adam Smith (1723 – 1790) que revoluciona o mundo com seu livro A Riqueza das Nações onde cita a divisão do trabalho e a divisão das tarefas. Marx (1818 – 1883) e Engels (1820 – 1895) e a teoria da origem econômica do Estado.

Continuando, Chiavenato (2000, p. 28) cita a Igreja católica que utilizava a hierarquia da autoridade, mesmo princípio das organizações militares que possuíam unidade de comando dentro de uma escala hierárquica.

Como Organização militar, surge, segundo Lodi (2003, p. 15), confirmando o que Chiavenato (2000, p. 18) descreveu, Carl Von Clausewitz (1780 – 1831), general prussiano, que muito escreveu sobre guerra e disse que “administrar uma grande organização requer planejamento cuidadoso”, surge então de forma enfática a palavra planejamento muito citada posteriormente pelos pensadores da Administração, e segue dizendo “Toda as decisões devem ser baseadas na probabilidade e não na necessidade lógica”, ou seja, existe uma necessidade de se analisar os cenários e dele tirar conclusões embasadas em fatos.

Clausewitz disse ainda, segundo Lodi (2003, p. 16) “que o administrador deve aceitar a incerteza e planejar de modo a minimizar essa incerteza”. E diz ainda, “decisões devem ser científicas e não intuitivas”.

Charles Babbage (1792 – 1871), matemático inglês, tido como o pai do computador, por criar o motor diferencial, considerado o primeiro computador digital, segundo Lodi (2003, p. 16).



Recomendou o uso de dados na Administração de uma empresa, a fixação de tempo-padrão para operações repetitivas, a divisão do trabalho entre esforço físico e mental, a determinação de custos precisos para cada processo e a fixação de uma bonificação proporcional à influencia do operário e ao sucesso da empresa.



Portanto, o que Taylor viria a comprovar através de seus estudos e na prática, era o pensamento e idéias antigas desse e de outros pensadores primórdio da Administração.

Surge ainda a influência descrita por Chiavenato (2000, p. 30) da Revolução Industrial e dos pioneiros e empreendedores, que no primeiro caso, há uma transformação no trabalho com o surgimento de fontes de energia e das máquinas e no segundo, já no Século XIX, uma outra transformação principalmente nos EUA e na Inglaterra com o surgimento de grandes empresas como a Standard Oil, a Carnegie, Westinghouse e General Eletric – GE, dentre outras.

Quanto a Revolução Industrial, Faria (2002, p. 13) divide em duas fases:

 1780 a 1860 – revolução do carvão e do ferro;

 1860 a 1914 – revolução do aço e da eletricidade.

James Watt (1736 – 1819), segundo Corrêa (2003, p. 22), em 1776, vende na Inglaterra a primeira máquina a vapor, no mesmo ano em que Adam Smith publica A Riqueza das Nações.

Chiavenato (2000, p. 22 – 23) demonstra em um quadro reproduzido de Pradip N. Khandwalla (1977, p. 170 - 172) a cronologia dos primórdios da Administração.

CRONOLOGIA DOS PRINCIPAIS EVENTOS DOS PRIMÓRDIOS DA ADMINISTRAÇÃO

ANO AUTORES EVENTOS

4000 AC Egípcios Necessidade de planejar, organizar e controlar.

2600 AC Egípcios Descentralização na organização.

2000 AC Egípcios Necessidade de ordens escritas. Uso de consultoria de staff.

1800 AC Hamurabi (Babilônia) Uso de controle escrito e testemunhal; estabelecimento do salário mínimo.

1491 AC Hebreus Conceito de organização; Princípio escalar; Princípio da exceção.

600 AC Nabucodonosor (Babilônia) Controle de produção e incentivos salariais.

500 AC Mencius (China) Necessidade de sistemas de padrões.

400 AC Sócrates (Grécia)

Ciro (Pérsia)



Platão (Grécia) Enunciado da Universidade de Administração.

Necessidade de relações humanas; estudo de movimentos, arranjo físico e manuseio de materiais.

Princípio da especialização.

175 AC Cato (Roma) Descrição de funções.

284 Dioclécio (Roma) Delegação de autoridade.

1436 Arsenal de Veneza Contabilidade de custos; balanços contábeis; controle de inventários; linha de montagem; Administração de pessoal; Padronização.

1525 Niccoló Machiavelli (Itália) Princípio de consenso e de coesão na organização; enunciados das qualidades de liderança; táticas políticas.

1767 Sir James Stuart (Inglaterra) Teoria da fonte de autoridade; impacto da automação; diferenciação entre gerentes e operários; especialização.

1776 Adam Smith (Inglaterra) Principio da especialização dos operários; conceito de controle.

1799 Eli Whitney (EUA) Método científico; Contabilidade de custos e controle de qualidade; amplitude administrativa.

1800 James Watt

Mathew Boulton (Inglaterra) Procedimentos padronizados de operação; especificações; método de trabalho; planejamento; incentivo salarial; tempos padrões; gratificações natalinas; auditoria.

1810 Robert Owen (Inglaterra) Práticas de pessoal; treinamento dos operários; planos de casas para os operários.

1832 Charles Babbage (Inglaterra) Ênfase na abordagem científica e na especialização; divisão do trabalho; estudo de tempos e movimentos; contabilidade de custos; efeito das cores na eficiência do operário.

1856 Daniel C. McCallum (EUA) Usu do Organograma para a estrutura organizacional; Administração sistemática em ferrovias.

1886 Henry Metcalfe (EUA) Arte da Administração; Ciência da Administração.

1900 Frederick Winslow Taylor (EUA) Administração Científica; cooperação entre operários e gerencia; prêmios de produção; princípio de exceção; estudo de tempos e métodos; ênfase no planejamento e controle.

FONTE: CHIAVENATO (2000, p. 22 – 23).

3 – AS ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO E SEUS CRIADORES

As Escolas, Teorias ou abordagens da Administração surgem a partir do século XX e são elas 11(onze):

• Teoria Clássica e Teoria Cientifica;

• Escola de Relações Humanas;

• Teoria da Burocracia;

• Teoria Comportamental ou Behaviorista;

• Teoria Estruturalista;

• Teoria de Sistemas;

• Desenvolvimento Organizacional;

• Abordagem Contingêncial;

• Teoria Neoclássica;

• Administração por Objetivos;

• Administração Estratégica;



As Teorias da Administração são baseadas em pensamentos e estudos que evoluíram através dos tempos desde sua criação.

Procurando apresentar uma melhor visualização e entendimento sobre cada uma dessas Teorias, o quadro a seguir procura mostrar de forma resumida e condensada a ênfase dada, o seu principal fundador, o ano de criação e o enfoque.

Todas as informações que compõem este quadro são baseadas em Chiavenato (2000, p. 7 e 8) que em dois momentos da Obra apresenta quadros demonstrativos com objetivo de focar cada Teoria/Escola.



ENFASE TEORIA PENSADOR/ANO ENFOQUE

TAREFAS  Administração Científica Frederick Taylor (1903) Racionalização do trabalho no nível operacional









ESTRUTURA  Teoria Clássica

 Teoria Neoclássica Henry Fayol (1916)

Peter Drucker (1954) Organização formal. Princípios gerais da Administração. Funções do Administrador.

 Burocracia Max Weber (1909) Organização formal burocrática. Racionalidade organizacional.

 Estruturalista Várias influencias (1947)

Lévy-Strauss

Gurwitch e Radcliff Brow

Karl Marx e Weber Múltipla abordagem:

Organização formal e informal; Análise intra-organizacional e análise interorganizacional.







PESSOAS  Relações Humanas Elton Mayo (1932) Organização informal. Motivação, liderança, comunicações e dinâmicas de grupo.

 Comportamental Douglas McGregor (1957) Estilo de Administração.

Teoria das decisões.

Integração dos objetivos organizacionais

e individuais.

 Desenvolvimento Organizacional (1962) Mudança organizacional planejada.

Abordagem de sistema aberto.





AMBIENTE

 Teoria Estruturalista (1947) Análise intra-organizacional e análise ambiental.

Abordagem de sistema aberto.

 Teoria da Continência (1972) Análise ambiental (imperativo ambiental).

Abordagem de sistema aberto.

TECNOLOGIA  Teoria da Continência (1972) Administração da tecnologia (imperativo tecnológico).



Este quadro resume bem o que cada Teoria/Escola têm como ênfase e enfoque dentro das Organizações. A seguir é tratada de cada uma das Teoria/Escola de forma detalhada.





4 – A ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA E CLÁSSICA

A primeira Escola que surge é a de Administração Científica, criada nos EUA, pelo engenheiro Frederick Winslow Taylor (1856 – 1915), com origem no chão da fábrica, foco nos operários e nas tarefas, adotando métodos racionais e padronizados além de uma máxima divisão das tarefas. Taylor teve Henry Lawrence Gantt (1861 – 1919), Frank Bunker Gilbreth (1868 – 1924), Harrington Emerson (1853 – 1931) e Henry Ford (1863 – 1947), como seus principais seguidores, seguindo a cronologia de Chiavenato (2000, p. 45 – 48) e a descrição de Ferreira et ali (1997, p. 25).

Henry Ford cria a produção em série, ou linha de montagem como é mais conhecida. Esse foi um dos grandes avanços para a Industria e uma revolução para os processos produtivos, aumentando a quantidade produzida e reduzindo o tempo de montagem dos veículos.

Quando o modelo T da Ford foi lançado em 1908, a montagem do veículo demorava doze horas e vinte minutos. Já na década de 1920, demorava apenas uma hora e vinte minutos uma redução de mais de 89 % no tempo de produção, conforme Globo Administração (2000).

Ainda segundo Ferreira et ali (1997, p. 17 e 18), os pontos negativos desta Teoria são o enfoque mecanicista do ser humano, Homo economicus, abordagem fechada, superespecialização do operário e exploração dos empregados.

No mesmo momento na França, surge a Teoria Clássica criada por outro engenheiro, Henry Fayol (1841 – 1925) que tem origem na gerencia administrativa, ênfase na estrutura formal das Organizações, adoção de princípios administrativos pelos altos escalões, segundo Ferreira et ali (1997, p. 25).

Já para esta Teoria, Ferreira et ali (1997, p. 24 e 25) considera que suas principais falhas estão na obsessão pelo comando, a empresa como sistema fechado (igual a Científica, ou seja, não considera o ambiente externo) e a manipulação dos trabalhadores.





5 – A ESCOLA DAS RELAÇÕES HUMANAS

A Escola de Relações Humanas surge a partir da experiência desenvolvida de 1927 a 1929, na fábrica da Western Electric Company (Hawthorne, Chicago) por Elton Mayo (1880 – 1949), baseados nos conceitos de comportamento de grupos sociais de Kurt Lewin (1890 – 1947), na sociedade e nas organizações segundo Ferreira et ali (1997, p. 27 e 29).

Os pontos negativos desta Teoria segundo Ferreira et ali (1997, p. 31 e 32) são a negação do conflito entre empresa e trabalhadores, restrição de variáveis e da amostra, concepção utópica do trabalhador, ênfase excessiva nos grupos informais, espionagem disfarçada e ausência de novos critérios de gestão.





6 – A BUROCRACIA DE MAX WEBER

A Teoria da Burocracia surge através do sociólogo e economista alemão Max Weber (1864 – 1920) que caracteriza, ainda segundo Ferreira et ali (1997, p. 34 a 36), como a ética protestante como princípio básico, o homem organizacional, a racionalidade, a divisão do trabalho e hierarquia, autoridade, poder, dominação e Administração, promoção e seleção, separação entre propriedade e Administração e organização informal.

As principais críticas a esta Teoria, são a limitação da espontaneidade, a despersonalização do relacionamento entre colegas, a substituição dos objetivos por normas impostas e o conflito entre público e funcionários.







7 – A TEORIA COMPORTAMENTAL OU BEHAVIORISTA

Surge então a Teoria comportamental, também conhecida como Behaviorista, com foco nas pessoas. “O movimento Behaviorista surgiu como evolução de uma dissidência da Escola de Relações Humanas, que recusava a concepção de que a satisfação do trabalhador gerava de forma intrínseca a eficiência do trabalho”, desta forma Ferreira et ali (1997, p. 40), define a razão da criação desta Teoria.

Segundo Ferreira et ali (1997, p. 40 a 43) os principais pontos desta Teoria são baseados na cooperação e valorização do trabalhador, onde os aspectos de processo decisório se dá de forma participativa, reconhece o poder da liderança, autoridade e consentimento, Homem administrativo onde considera o Homem como um ser racional e os conflitos de objetivos entre trabalhadores e Organização, pois com a maturidade dentro da Empresa o trabalhador pensa melhorias para a Organização mas falta canais de comunicação para propor-las.

Neste momento surge Douglas McGregor (1906 – 1964) e sua Teoria X e Y, onde na Teoria X o ser humano é incapaz de pensar e agir e a Teoria Y onde é considerado o ser humano como responsável e compromissado com as Organizações.

Outros nomes importantes desta Escola são: McClelland (dividiu os fatores motivacionais), Frederick Herzberg (buscou os fatores motivacionais) e Rensis Likert que identificou através de pesquisas, que os lideres com foco nos funcionários obtinham mais produtividade.









8 – A ESCOLA ESTRUTURALISTA

A Teoria ou Escola Estruturalista surge a partir da Escola Burocrática tentando resolver os conflitos entre a Teoria Clássica e a de Relações Humanas e da própria Teoria Burocrática fortemente influenciada pelo estruturalismo nas Ciências Sociais, segundo Ferreira et ali (1997, p. 52), onde ele cita as seguintes influencias:

 Lévy-Strauss e o estruturalismo abstrato (empírico);

 Gurwitch e Radcliff-Brow e o estruturalismo concreto;

 Karl Marx e o estruturalismo dialético que via como conjunto de partes diferenciadas;

 Max Weber e o estruturalismo fenomenológico que via a dificuldade do ideal se tornar real.

São características, segundo Ferreira et ali (1997, p. 53 a 54), do estruturalismo, as submissões do indivíduo à socialização, desejo de se destacar dentro da sua função para refletir no ambiente onde ele vive, os conflitos inevitáveis entre os interesses dos trabalhadores e da Organização, a hierarquia vista como maléfica a comunicação e os incentivos mistos, ou seja, materiais e sociais.





9 – TEORIA DOS SISTEMAS

A Teoria dos Sistemas nasce através do biólogo alemão Ludwig von Bertalanffly que em 1937 lançou as bases da Teoria Geral dos Sistemas. Essa Teoria foi amplamente reconhecida nos anos de 1960 dentro da Administração, segundo Ferreira et ali (1997, p. 58).

Os pressupostos desta Teoria, ainda segundo citado por Ferreira et ali (1997, p. 58) reconhecem que:



• Há uma tendência geral no sentido da integração das várias Ciências naturais e sociais.

• Esta integração parece centralizar-se em uma Teoria Geral dos Sistemas.

• Esta teoria pode ser um importante meio para alcançar uma teoria exata nos campos não físicos da Ciência.

• Desenvolvendo princípios unificadores que atravessam verticalmente o universo das Ciências individuais, esta teoria aproxima-nos da meta da unidade da Ciência.

• Isto pode conduzir à integração, muito necessária na educação científica.





As principais características desta Teoria são explicadas sobre os seguintes aspectos segundo ainda Ferreira et ali (1997, p. 60): Homem funcional, conflitos de papeis, incentivos mistos, equilíbrio integrado e Estado estável.

O enfoque sistêmico e do ambiente organizacional, pode ser resumido na forma em que considerando os fatores externos da Organização, tecnologias, Economia, Políticas, Cultura social e concorrência, onde no ambiente interno, entra, inputs, os insumos, há um processamento, ou agregação de valor, dar-se a saída, outputs, deste e retorna em feedback.





10 – A ESCOLA DO DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

A Escola do Desenvolvimento Organizacional tem foco nas mudanças organizacionais, onde ocorre a evolução baseada em três fatores, a estrutura, o comportamento e a tecnologia, interdependentes entre si. Ferreira et ali (1997, p. 70) cita as três fases do processo de mudança comportamental, segundo Lewin, são elas: Descongelamento, Implantação e recongelamento. Onde o descongelamento é a saída do atual padrão, para que ocorram a implantação das mudanças e o recongelamento, ou seja, a consolidação das mudanças ocorridas.

“A insegurança e a ameaça são dois fatores que provocam resistência no individuo...” assim Ferreira et ali (1997, p. 71) descreve como o ser humano reage as mudanças.

O processo de mudança ocorre seguindo praticamente os princípios da Administração, sendo que aqui é denominado: Diagnóstico, plano de ação, intervenção e avaliação e controle.

Neste momento ocorre a transição das Escolas e Teorias consideradas Clássicas para uma abordagem moderna da Administração.





11 – ABORDAGEM CONTINGÊNCIAL

A primeira Teoria considerada da era Moderna é a Abordagem Contingêncial. Ela busca aplicar as principais Teorias da Administração em situações reais. Segundo Ferreira et ali (1997, p. 101), “A fundamentação da abordagem contingêncial está na teoria dos sistemas” pois considera a inter-relações entre as partes do todo e segue, “A Teoria da Contingência enfatiza que não há nada absoluto nas Organizações ou na teoria administrativa; tudo é relativo, tudo depende”. Onde desta forma, confirma o que se aprendeu em sala de aula com o professor Mandelli (2005), onde ele diz que “não existe receita de bolo e sim ingredientes”.

Ainda fazendo coro a este discurso, Morgan (1996, p. 53) diz “Não existe a melhor forma de organizar. A forma adequada depende do tipo de tarefa ou do ambiente dentro do qual se está lidando”.

As principais características da abordagem contingêncial são, conforme Ferreira et ali (1997, p. 102), a supremacia do transitório, o fim do modelo ideal e a tecnologia adequada.





12 – A TEORIA NEOCLÁSSICA

A Teoria Neoclássica é segundo Chiavenato (2000, p. 19), “a corrente eclética e pragmática baseada na atualização e no redimensionamento da Teoria Clássica e na ênfase colocada nos objetivos”.

Ainda segundo Chiavenato (2000, p. 172) “as principais características da Teoria Neoclássica são as seguintes”



1. Ênfase na prática da Administração.

2. Reafirmação dos postulados clássicos.

3. Ênfase nos princípios gerais de administração.

4. Ênfase nos objetivos e nos resultados.

5. Ecletismo.



Esse ecletismo citado é o somatório de todas as teorias da Administração já citadas neste trabalho.

Segundo Chiavenato (2000, p. 272) a Administração por Objetivos – APO surge a partir do ecletismo da Escola Neoclássica e com o lançamento do livro de Peter Drucker, The practice of management (1954) ou Prática de Administração de Empresas (1962).

Segundo Chiavenato (2000, p. 298) APO “é uma técnica administrativa que enfatiza os objetivos, finalidades e resultados em lugar do processo administrativo (meios). Em vez do como administrar enfatiza o por que ou para que administrar.”

Ainda segundo Chiavenato (2000, p. 273) as principais características da APO são as seguintes:



1. Estabelecimento conjunto de objetivos entre o executivo e o seu superior.

2. Estabelecimento de objetivos para cada departamento ou cargo.

3. Interligação entre os vários objetivos departamentais.

4. Ênfase na mensuração e controle dos resultados.

5. Continua avaliação, revisão e reciclagem dos planos.

6. Participação atuante das gerencias.

7. Apoio intensivo do staff.



Neste caso é citado com bastante redundância e ênfase os objetivos e resultados da APO e os atores participantes do processo.

Certamente o resgate de toda essa história trás lições para o futuro. E esse conhecimento torna-se fundamental para os administradores obterem sucesso em suas vidas profissionais nos dias atuais.

O conhecimento é mutante e a reciclagem constante é necessária e vital. Agora cada administrador deve conhecer todas as teorias e características de cada uma delas para no momento exato em que um fato ocorrer, saiba avaliar e utilizar o conhecimento específico para a melhor solução do fato.





13 – ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

A Administração Estratégica – AE, surge na década de 1950, mas só na década de 1960 que passa a ocupar espaço no mundo empresarial. “Os conceitos de estratégia surgiram na teoria administrativa a partir da década de 1960” assim Chiavenato e Cerqueira Neto (2003, p. 136) confirmam a afirmação anterior. Esse pensamento surge pela necessidade de profissionalização das Organizações com um pensamento mais estratégico e a longo prazo.

Segundo Chiavenato e Cerqueira Neto (2003, p. 136) “A abordagem Neoclássica da Administração trouxe a chamada escola do planejamento estratégico” que contribui de forma determinante através da “adoção de um processo formal de formulação estratégica mediante um enfoque fortemente prescrito e normativo”.

Esse pensamento é fundamentado nas várias mudanças que ocorreram durante os tempos de evolução da humanidade. Segundo Lynch & Kordis (1988, p. 72 a 74) durante esta evolução aconteceram 5 (cinco) ondas de mudanças. A primeira foi a onda da agricultura, a segunda da industria, a terceira do computador, a quarta foi a da produtividade, das novas tecnologias e a quinta e última foi a onda da imaginação.

Analisando as últimas três ondas, computador, produtividade com as novas tecnologias e a da imaginação, entende-se onde nasce a necessidade do pensamento estratégica na Administração.

Utilizando ainda uma citação muito conhecida na área de mudança, é a metáfora da borboleta, descrita por Lynch & Kordis (1988, p. 124) que diz que “o bater de asas de uma borboleta monarca na Califórnia, por exemplo, poderia acabar produzindo uma tempestade de neve na Mongólia”, ou seja, quando acontece uma mudança dentro de uma Organização, os efeitos são desconhecidos em sua totalidade, faz-se uma mudança para alcançar um objetivo e as vezes alcança-se outros não previstos.

Segundo Certo (1993, p. 6), AE é um “processo contínuo e interativo que visa manter uma Organização como um conjunto apropriadamente integrado a seu ambiente.”, ou seja, passa-se a pensar de forma a considerar os ambientes internos e externos da Organização em um contínuo processo de evolução, mudança, sintonizado com o ambiente.

Segundo Ferreira et ali (1997, p. 116) “Igor Ansoff, considerado o pai do planejamento estratégico e da Administração Estratégica, define estratégia como as regras e diretrizes para decisão, que orientam o processo de desenvolvimento de uma organização”.

Ainda segundo Ferreira et ali (1997, p. 119) adaptado de Stoner (1985), as etapas do planejamento estratégico são:



1. Definição dos objetivos;

2. Identificação dos objetivos e das estratégias atuais;

3. Análise ambiental;

4. Análise de recursos;

5. Identificação de oportunidades e ameaças;

6. Determinação do grau de mudança necessário;

7. Decisão da estratégia a ser adotada;

8. Implantação da estratégia;

9. Mensuração e controle.



Ferreira et ali (1997, p. 121) considera ainda que “a crítica mais comum à Administração Estratégica refere-se à dificuldade de prever a melhor estratégia de longo prazo em um ambiente com alto nível de turbulência ambiental”.

Sendo que neste início de século XXI, apesar das coisas parecerem bem descartáveis e altamente mutantes, com o auxílio da tecnologia e da informação chega-se a um panorama futuro bem mais próximo da realidade.

Segundo Lynch & Kordis (1988, p. 80) o pensamento estratégico utilizado para descoberta de novas ondas é importante, pois auxilia a intuição, utilizar o tempo como recurso e não como ameaça além de evitar o caminho que não levará a lugar nenhum.

O pensamento estratégico é realizado sempre pela alta direção das Organizações, mas a participação do pessoal operacional é muito importante, visto que, citando Lynch & Kordis (1988, p. 143) “os soldados sabiam que as balas de canhão tinham uma trajetória curva antes que os cientistas admitissem isso”. Isso quer dizer que quem realmente sabe como acontecem as coisas na execução é quem realmente as executam.

A Principal ferramenta utilizada atualmente na Administração Estratégica é o Balanced scorecard ou simplesmente BSC. O BSC segundo cita Herrero Filho (2005, p. 25) seus criadores, Kaplan & Norton:

O Balanced Scorecard é uma ferramenta (ou uma metodologia) que ‘traduz a missão e a visão das empresas num conjunto abrangente de medidas de desempenho que serve de base para um sistema de medição e gestão estratégica’.



“Ainda de acordo com esses autores” continua Herrero Filho (2005, p. 25) “o novo sistema de gestão ‘fornece um novo referencial para a descrição da estratégia mediante a conexão de ativos tangíveis e intangíveis em atividades criadoras de valor’.”

Herrero Filho (2005, p. 25) apresenta o conceito de BSC por seus criadores, Kaplan & Norton em cinco pontos:

• O BSC coloca a visão em movimento;

• O BSC narra a história da estratégia;

• O BSC cria a consciência estratégica nos colaboradores;

• O BSC explicita o destino estratégico da organização; e

• O BSC estimula o diálogo na organização

O BSC, portanto, não se trata de uma ferramenta de implantação, o que não descarta esta possibilidade, mas, sua principal utilização é no que diz respeito a avaliação da Administração Estratégica.

A principal missão do pensamento estratégico é a elaboração e análise dos cenários. Segundo Chiavenato e Cerqueira Neto (2003, p. 141):

O cenário constitui uma ferramenta no arsenal do estrategista e baseia-se na suposição de que, se não pode prever o futuro especulando uma variedade de futuros, podem-se, no entanto, abrir alternativas para se aproximar do futuro, aquele que pode vir a acontecer.



E é baseado nestes cenários que o estrategista, administrador, define a missão e visão da sua empresa e do seu negócio.

Ainda segundo Chiavenato e Cerqueira Neto (2003, p. 141 e 142) “o planejamento baseado em previsões apresenta três rotas que podem resultar em uma estratégia eficaz: pensamento estratégico, planejamento estratégico formal e tomada de decisão estratégica oportunista”.

O pensamento estratégico é o pensamento no futuro baseado em analise dos ambientes voltado para o negócio, o planejamento estratégico formal, é coloca-lo no papel de forma escrita, para que todos saibam e tenha conhecimento de tal e por último as tomadas de decisão são baseadas nas informações levantadas através de analises de cenários e tendências.

Segundo Rezende (2003, p. 22) em referencia a citação de (Wright; Kroll; Parnell, 2000):

A Administração Estratégica é uma expressão mais ampla que abrange não só a gestão de suas partes ou estágios, mas também os detalhes e as discussões que antecedem a elaboração do planejamento estratégico.



Ou seja, é todo o processo de pensar, avaliar e planejar o próprio planejamento, isso é estratégico e fundamental para a eficácia, eficiência e efetividade do processo, que deve ser participativo, pois as informações operacionais têm que serem levadas em consideração além de uma análise detalhada do cenário ao qual interfere direta ou indiretamente no negócio.





CONCLUSÃO

O pensamento da Administração evoluiu durante todas as fases da humanidade, dos primórdios, egípcios e filósofos gregos. Passando por Taylor e Fayol, chegando a Peter Drucker até as mais novas tendências.

Este trabalho procurou realizar um passeio por todas as fases do pensamento da Administração, apresentando um enfoque cronológico das teorias e suas principais características.

Pois acredita-se que só com um profundo conhecimento do passado que a humanidade saberá escolher melhor o caminho do futuro.



































BIBLIOGRAFIA



ABBEVILLE, Padre Cláudio de. História da missão dos padres capuchinhos na Ilha do Maranhão e suas circunvizinhanças. [Trad. Augusto César Marques] – São Paulo: Siciliano, 2002.



CARVALHO, Estevão Rafael de. A Metafísica da Contabilidade Comercial. Rio de Janeiro: _______, 1837.



CERTO, Samuel C. & PETER, J. Paul. Administração Estratégica: Planejamento e implantação de estratégia. São Paulo: Makron books, 1993.



CORRÊA, Henrique Luiz. Teoria Geral da Administração: abordagem Histórica da Gestão de Produção e Operações. São Paulo: Atlas, 2003.



CHIAVENATO, Idalberto & CERQUEIRA NETO, Edgard Pedreira de. Administração Estratégica: Em busca do desempenho superior uma abordagem além do Balanced scorecard. São Paulo: Saraiva, 2003.



CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 6a ed. rev. ampl. – Rio de Janeiro: Campus, 2000.



ESTRATÉGIA EMPRESARIAL: Aula Inaugural dia 14 de fevereiro de 2005. Aula proferida pelo Prof. Esp. Ernesto Friederichs Mandelli.



FARIA, José Carlos. Administração: Teorias e Aplicações. São Paulo: Pioneira Thompson, 2002.



FERREIRA, Ademir Antonio, REIS, Ana Carla Fonseca & PEREIRA, Maria Isabel. Gestão Empresarial: de Taylor aos nossos dias. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2001.



GLOBO ADMINISTRAÇÃO. Desenvolvido por Globo Administração, 2000. Apresenta informações sobre os 100 anos de gestão. Disponível em: Acesso em: 24 julho 2005.



HERRERO FILHO, Emílio. Balanced Scorecard: e a Gestão estratégica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.



LODI, João Bosco. História da Administração. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2003.



LYNCH, Dudley & KORDIS, Paul L. A Estratégia do Golfinho. [Trad. Paulo César de Oliveira] – São Paulo: Cultrix, 1988.



MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Introdução a Administração. – 5a. ed. ver. Ampl. – São Paulo: Atlas, 2002.



MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria Geral da Administração: da escola científica à competitividade na economia globalizada. 2a.ed. – São Paulo: Atlas, 2000.



MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996.



REZENDE, Denis Alcides. Planejamento de Sistemas de Informação e Informática. São Paulo: Atlas, 2003.

Nenhum comentário:

Postar um comentário